O nosso fim.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Não consigo pensar em você e não sorrir. Caminhamos juntos por tanto tempo e agora estamos tão longe sentimentalmente um do outro. Talvez esse tenha sido o meu erro, deixar que a distancia tomasse conta.

Sabe, o teu sorriso continua sendo o mais sincero que já e o teu cheiro ainda é o meu preferido. Mas passou, foi um linda e breve história de amor. História essa que contarei para os meus netos.

Um amor bobo, inocente e ao mesmo tempo tão maduro.
Foi com você que aprendi o valor de um amanhecer, e como é lindo uma noite estrelada.
São esses tipo de coisa que mesmo com o nosso fim, eu guardarei.
Guardo assim como a nossa velhice vai guardar as recordações de criança, cada riso, tombo e brincadeira.

Acabou não é? Não sou mais a tua pequena e você não pode mais ser a minha companhia em direção a Paris.

Porém, nunca em hipótese alguma vou deixar que o meu sorriso por ti se esgote, e as lembranças se tornem vagas.

Chegamos ao fim, mas eu te encontro em uma possível outra vida.


Rainha e Rei.

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

A verdade é que depois de tantos tombos, a gente começa a se entregar com calma pra esse tal de amor.
O que antes era só sorrisos e flores, hoje vai além de confidencias, olhares e intimidades.
Toda garota precisa de um companheiro, não só para as horas de carência ou de felicidade constante.
Nós, garotas queremos alguém para nos envolver e nos proteger, queremos alguém que também nos permita passar pelo perigo.
Precisamos de carinho e também de lições.

O amor é como um jogo de xadrez, você vai encontrar alguém jogue por você. Porém poder encontrar alguém para jogar com você.
Garotas querem alguém que vá embora quando pedimos, mas quem volte em menos de cinco minutos. Queremos saber que realmente em momentos tristes, teremos um timbre nos acalmando ou até mesmo uma respiração quente nos confortando.
E nos momentos de alegria, essa mesma pessoa nos fará transbordar felicidade.

Precisamos de alguém para reinar ao nosso lado, até o último segundo.


Reticências;

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

E eu olhei bem no fundo dos teus olhos castanhos, algo dentro de mim gritava por você. Uma necessidade sem tamanho de te ter em meus braços, sentir o teu cheiro e acariciar o teu cabelo.
-Você não mudou nadinha. Afirmei em voz alta.
E você só deu aquele seu mísero sorriso torto, que eu sou uma patética fã de carteirinha dele.
A noite estava fria e sem muitas estrelas no céu. Mas sinceramente, naquela noite ali contigo na minha frente depois de tanto tempo, elas não fizeram muita falta.

Foi aí que você disse a frase que mudou tudo. Mudou meus planos, meus sonhos e meus ideais. Olhando assim parece que foi algo extraordinário, mas na verdade não foi. Você tem essa habilidade natural de me desorientar.

- Senti tua falta pequena. Você disse em tom baixo, mas não o suficiente para que eu não ouvisse.

Não pude me controlar, você sabe como sou. Tive que te abraçar, te sentir e ouvir as batidas do teu coração. Sim, as batidas elas me acalmam ainda mais que o timbre da tua voz.
E em questão de segundos, estava eu viajando por um mundo só nosso. Com todas as nossas brincadeiras, segredos e reconciliações.

-Lembrei daquela noite na praia, aquela que nós rolamos na areia sem se importar com mais nada além do nosso amor. Nós eramos loucos né?
-Sim, loucos um pelo outro. Não tínhamos hora e nem lugar para nos amarmos.

Foi a melhor resposta que você poderia me dar, de todos os ''Eu te amo'' ''Meu amor'' ''Minha vida'' essa frase foi sem dúvidas a melhor coisa que você podia ter me dito.
O silêncio tomou conta, mas continuávamos abraçados, unidos sendo mais uma vez um só.
Por Deus, que meu porto seguro é em teus braços. E você sabe disso, você sabe o quão bem me faz.
Porque você tem o poder de me destruir e me reconstruir em segundos, você reconhece os meus medos.
Você mesmo que não queira, é parte da minha alma.

E eu continuou aqui te esperando para mais encontros, lembranças e sentimentos. Porque na nossa história eu me recuso a colocar um ponto final...